My drum heroes: Os 7 bateras do Dream Theater.

Como a discussão no buzz a respeito do reality show do Dream Theater teve uma grande repercussão, decidi fazer um post pra mostrar um pouco do trabalho dos caras e o porque eles foram os escolhidos para a audição.

Derek Roddy:
O cara é muito rápido e um batera mestre no “extreme drumming”, ou seja, o negócio dele é Trash, Death Metal, patu-patus e muitos blast beat. Você não sabe o que é blast beat? Só preste atenção para os momentos em que a bateria parecer um britadeira…aí você vai saber.

Thomas Lang:
Batera Austríaco que já tocou com Kelly Clarkson, Robbie Williams, Victoria Beckham, Glenn Hughes, entre outros. Note que no segundo vídeo, o desgraçado começa a pisar em algum pedal que não é possível ver, e uma caixa, próxima a algum dos surdos começa a se mover e a produzir som…pois está sendo tocada. Neste mesmo vídeo, a partir dos 3:08 minutos, ele começa a fazer pressões iradas com as baquetas.
Ele certamente é um cara com um maior repertório que o Derek Roddy.

Mike Mangini:
O cara é professor da Berklee College of Music, tocou com Extreme, Steve Vai e ganhou o prêmio de batera mais rápido do mundo. Precisa dizer mais? Dá uma olhada de uma participação divertida dele no Time Warp!

Neste vídeo, ele faz com uma mão só, coisas que eu não faria nem com quatro!

Aquiles Priester:

O cara é um monstro! Preciso, rápido e com um repertório impressionante de frases, viradas e levadas, gravou o que na minha opinião é o melhor disco do Angra…o Temple of Shadows!

Como não achei nada do Temple of Shadows, vai uma do Rebirth mesmo! A intro é demais!

Peter Wildoer:
O cara foi uma grata surpresa. Não conhecia seu trabalho até ouvir o Static Impulse, cd solo do James Labrie…o cara é impressionante!

Virgil Donati:

O cara brinca com tempos estranhos, polirritmias, deslocamentos de tempo e o cacete a quatro. Acho que de todos os que passaram por lá, ele é um dos mais insanos! Não era esperado que ele desse umas deslizadas, mas acontece!
No primeiro vídeo, é um ensaio dele e do baixista do Planet X. Assistam e me digam se não é doente. O legal é que tem as partes das músicas e as formulas de compasso! Creio que o DT ia ficar um pouco com essa cara, se ele entrasse!

No meio da música ele pira e faz umas coisas que eu nem tenho ideia do que seja…como ele aumenta e diminui o andamento da música, sei lá!

Marco Minnemman:

O cara é bom e extremamente carismático. Toca muito e é extremamente musical! No primeiro vídeo ele deixa a galera completamente perdida, demais! E a explicação do cara é muito legal e didática!

And now, something completely different!

Eu espero que com isso, tenha mostrado um pouco de outras facetas destes sete incríveis bateristas!

2 opiniões sobre “My drum heroes: Os 7 bateras do Dream Theater.”

  1. Incríveis, sem dúvida!!
    Finalmente conheci algo legal do Aquiles. Mas confesso que me cansei de ouvi-lo. Se ele foi o compositor da Octopus, realmente, ele é um músico e tanto, mas a parte da bateria me cansou um pouco. O resto é solo, então é ruim de se comparar… Nas audições do Dream Theater, eu dividiria:
    1) Mangini é o cara perfeito para SUBSTITUIR o Portnoy;
    2) Aquiles nunca se encaixaria no perfil das músicas – especialmente se voltarem a fazer coisas do tipo “A Change of Seasons”;
    3) Donati surta (no bom sentido) muito em muito pouco tempo. O restante é meio lerdo pra acompanhar;
    4) Minnemann é espoleta demais pra velharada. Mas nunca que eles iam querer se adaptar a alguém…
    5) Wildoer, Lang e Roddy foram meio que “vamos ver no que vai dar”.

Os comentários estão encerrados.