Os limites da arte

Em uma exposição de arte na Costa Rica, um “artista” resolveu fazer uma instalação muito original, que vai até ganhar um prêmio por sua originalidade.
Guillermo Vargas, ou “Habacuc” como ele se denomina, fez um grande mural com uma frase escrita com ração de cachorro: “Eres lo que lees”.
Para completar essa obra-prima, ele mesmo pegou um cachorro de rua e prendeu-o a um fio, dentro da galeria. O cachorro simplesmente ficou lá e ninguém o alimentou. Ele morreu no dia seguinte ao ser exposto, por inanição e sede.
Nenhuma das pessoas que foi à exposição tentou libertar o cachorro ou alimentá-lo, nem sequer chamar a polícia.
Habacuc quer repetir a façanha na Bienal de Honduras no ano que vem. Tem uma série de petições online contra ele e tentando impedir que essa instalação se repita.
Aonde vai o limite da arte? Pode matar um ser vivo em nome da arte? E em nome da pesquisa? Vale colocar animais em resina e vender em banca de jornal?
Vejam as imagens da exposição.
Fonte: Terra



6 comentários em “Os limites da arte”

  1. Eu estava me preparando pra postar isso… que bom que a Carola já conseguiu.
    É uma coisa marcante mesmo…
    eu não teria coragem de fazer isso.

  2. Pior que o suposto artista é a curadoria que permitiu tamanha crueldade. Cúmplices aos dois, são os visitantes da exposição que nada fizeram.

    Vendo a última foto, é nítida a total indiferença das pessoas, muitas das quais devem ser daquele tipo de pseudointelectuais ou, como gosto de chamar, INTELECTUALÓIDES.

    O mundo tá infestado de intelectualóides que se “acham” melhores do que as outras pq tiveram a sorte de ter uma boa formação cultural e acadêmica.

    Repudio também a Coleção Insetos, ou sei lá o nome correto daquela M…, que é vendida em bancas de jornal e dá de brinde insetos mortos dentro de resinas. Comprando o primeiro número, vc ganha um escorpião morto.

    Tudo bem, tudo bem, há uma nota em ínfimas letras que esclarece com um monte de blábláblás a isenção do editor e do autor de que estejam causando qq tipo dano ao meio ambiente ou sei lá, a ira me fez esquecer os termos corretos.

    Do jeito que o mundo anda, estamos nos finais do tempos.

    !!!

  3. Aqueles insetos são criados pra esse fim ou outros usos na Ásia, não são pegos na natureza assim, exatamente como cobaias de laboratório. E mesmo que fossem pegos… Se vc não sabe, animais blocados em acrílico, muito maiores do que insetos inclusive, não são novidade nenhuma… Se vc for a uma faculdade qualquer com cursos de biologia ou medicina veterinária verá vários outros bixos e plantas conservados pra estudo de diversas formas (taxidermizados, desidratados, em formol, em lâminas – tecidos -, em acrílico). Não é nada de absurdo, um médico usa corpos humanos pra estudar e melhor num corpo do que em você, não é mesmo?

    Deixe de ser ecochato. Fazer isso com um cachorro é doentio, o que evita que alguém resolva amarrar uma criança numa galeria? A lei não, pois existe lei contra mals tratos aos animais e não funciona… Mas apesar de doentio, nada tem a ver com os insetos de coleção e outros seres vivos que são mortos todos os dias por motivos razoáveis… Enfim, deixe de ser ecochato, pensar que se importa mais do que todo mundo.

    Atenciosamente, Ricardo Fernando Castro (biólogo, mestre em Entomologia, doutor especializado em Himenopteros).

  4. Que filho da mãe! Vamos prendê-lo numa corrente e deixá-lo sem água e comida! Isso é o que ele merece!
    Sou bióloga, e do fundo do meu coração, quem maltrata animais deveria arder no fogo do inferno!!

  5. [EDITADO]

    Coloca um ser humano que possa falar, arrancar a corda, comer e depois te matar. Me amarra no lugar desse cão, seu desgraçado!!!
    Mereces a morte!

Os comentários estão fechados.