My Drum Heroes: Carlos Bala

Num dos (poucos) comentários que esta séries de posts receberam,  foi requisitado a presença de um batera brasileiro. e sim, eu tenho heróis brasileiros, e não, eles não devem NADA para os grandes estrangeiros. Este é um cara que prova o meu ponto, Mr. Charles Bullet!

Sa técnica e domínio do instrumento são impressionantes, como é possível ver nos vídeos abaixo. Inclusive no último vídeo, onde ele dá dicas de dinâmica, é possível ver sua desenvoltura. Ele simplesmente faz uma levada absurda (aliás do tipo que eu sempre quis fazer, mas nunca consegui), que ao mesmo tempo que é muito técnica e tem uma certa complexidade, ela é extremamente suingada e agradável de se ouvir.

Ele já gravou com grandes nomes da MPB, como Chico Buarque, Djavan, João Bosco, Edu Lobo, Nana Caymmi, Gal Costa e a lista vai longe. Maiores detalhes sobre este monstro podem ser vistos em seu perfil no myspace, ou em sua extensa lista de discografia.

E agora com vocês, o mestre, em alguns vídeos com audio razoável que eu consegui achar:

Djavan – Ao Vivo – Boa Noite

Solo Balla

Sivuca – Noites Cariocas

Paulo Calazans & João Castilho – Desconheço o nome desta música (malditos vídeos com descrição incompleta) – Ao Vivo do Sesc Pinheiros.

Carlos Bala – dicas

3 comentários em “My Drum Heroes: Carlos Bala”

  1. esse coment nao tem nada a ver com o baterista, mas vou colocar aqui mesmo…

    parece mentira:
    http://bytesizebio.net/index.php/2009/07/04/from-predator-to-plant-in-one-gulp/

    pra resumir:
    é uma bacteria-protozoario (sei la) que é predador tal.. aí quando ele engole uma certa alga, ela comeca a crescer dentro do bicho. aí o bicho fica entupido com a alga e nao consegue comer mais, porém a alga fornece pra ele o alimento que ele precisa, e em troca o bicho procura luz pra alga… mto loco!

    quando o bicho se divide na reproducao, um dos filhos fica com a alga e o outro volta a ser predador…. até achar outra alga.

    Mto loco!

  2. Bem loko, Vitão! Valeu!
    No video do Djavan, também destaco o baixo! Achei bem legal.
    Gostei muito do choro com o Sivuca, que aliás, é demais!
    E gostei dos solos do Bala. No final do primeiro ele manda umas linhas bem groove.
    Só não entendo o que ele quer dizer com “dinâmica”…

  3. Sim, geralmente a cozinha (batera e baixa) que acompanha o Djavan é fantástica. O disco onde foi gravada esta música pela primeira vez (que se chama coisa de ascender e só tem clássico), tem o Bala na batera, e o Arthur Maia no baixo. Maia é um baixista fenomenal, e dá pra conhecer um pouco mais do som do cara nos cds solo dele.
    Os dois solos do Bala são bem groove. Com dinâmica ele quis dizer o controle do volume com o qual você toca o instrumento. Como assim? Bem, você pode tocar num volume mais baixo ou mais alto dependendo do que a situação exige. Para bateristas també m é possível controlar o volume de algumas peças da bateria indivídualmente. Como assim? Bem, é possível tocar notas mais fraca na caixa, pra colocar aquelas notas que preenchem os espaços elogo depois dar aqueles acentos mais nervosos. Um bom exemplo de variação de dinâmica que me veio agora a mente é The Dreaming Tree: É só prestar atenção, a música começa com todo mundo tocando num volume beeeem baixo. Pouco depois a música ganha corpo e o carter começa a tocar mais forte. Este aumento de volume tem mais a ver com o Carter do que com o cara qaue está mixando, porque é o Carter tocando que controla o volume, e não é o cara que está mixando que aumenta na mesa. Espero que tenha ajudado Japa!

Os comentários estão fechados.